OFERECIMENTO:

sexta-feira, 29 de abril de 2011 | 2 Comentários

Gaymada reune mais 500 pessoas (Jornal Alô Brasilia)


O que começou com um simples jogo de queimada entre amigos, se tornou um grande evento de diversão para os LGBTs (lésbicas, gays, bissexuais, travestis, transexuais e transgêneros). Na tarde de ontem, no estacionamento do Kart, aconteceu a 18ª edição do Gaymada – jogo de queimada entre os gays e simpatizantes do Distrito Federal. Às 17h, uma concentração de 500 pessoas já estava no local. O projeto acontece todo último domingo do mês, no estacionamento 11, a partir das 14h.

Conforme explicou um dos quatro organizadores da festa, o estudante Welton Kardeck, no início, o jogo de queimada era realizado com 10 amigos. “Nós utilizávamos os sites de relacionamento para combinar o jogo. Com o tempo, muitas pessoas ficaram sabendo e se tornou o que é hoje”, explicou Welton. Segundo ele, o evento é um lugar onde as pessoas podem se expressar sem medo. “Queremos garantir à essas pessoas um lazer livre, que é difícil encontrar em Brasília. A primeira edição aconteceu em 2008 mas não deu muita gente. Nesses últimos anos a quantidade de pessoas vem nos surpreendendo”, afirmou.

Michael Richard, outro organizador, disse que o jogo é composto por duas equipes. “As pessoas que vestem a camisa verde representam os ativos e os laranja, os passivos. Nosso trabalho também é de prevenção e conscientização. Mostramos à elas seus direitos e deveres”. Ele afirma a atividade tem a proposta de ensinar aos gays como se comportarem em uma abordagem negativa. “Com isso, eles conseguem identificar um ato de homofobia”, declarou o organizador. A segurança do local é realizada pelos policiais do Parque. O Gaymada é patrocinado pela sauna Thermas Soho, Grupo Elos e o site Gay1.

Público aprova - Para a estudante Maíra Campelo, 18 anos, que sempre esteve presente nas edições passadas, o evento deveria acontecer também nas cidades satélites. “As vezes é complicado vir para cá porque tem gente que mora longe. Eu acho que se a festa acontecesse em outras regiões, as pessoas que não estão no meio GLS entenderiam como o nosso projeto é saudável”, opinou. Já a sua colega, a secretária Alessandra Nunes, 27 anos, acredita que o Gaymada consegue quebrar barreiras. “Muitas pessoas pensam que nós gays só pensamos em besteira. Porém, quem vier aqui comprova que o que queremos é respeito”, ressaltou.

No evento também se encontram ambulantes que aproveitam a festa para lucrar. É o caso do vendedor Bernardo Carvalho, 37 anos. Ele disse estar presente em todas as edições e afirmou ganhar dinheiro no evento. “Meu filho é gay e tenho muito amor por ele. Sempre que posso venho com ele e minha esposa para vender. Antes de conhecer meu filho assumir a homossexualidade eu não tinha esse grau te intimidade com ele”, explicou Bernardo.


Da Redação do Jornal Alô Brasília

2 comentários:

cristiano disse...

ta vendo como gaymada é importante !

Dhellas Publicidade disse...

Foi ótimo! Parabéns!

Well Mah

Postar um comentário